Skip to content

Top 60: Os Melhores Filmes da Década (2000-2009) Parte 3 (40-31)

08/08/2010

Continuando agora a lista dos top 60 filmes da década. Para referência:

Parte 1 (60-51)

Parte 2 (50-41)

40# 500 Dias Com Ela ((500) Days of Summer, 2009, Marc Webb)

“It’s official. I’m in love with Summer.”

Filme bastante elogiado, e também criticado ano passado. Eu provavelmente já assisti umas 5 vezes, e a cada vez que eu assisto ou penso sobre eu gosto mais dele. Tanto a história quanto a forma de apresentação dela são muito originais, mostrando que o novato Marc Webb tem um futuro muito promissor pela frente. Os dois protagonistas Joseph Gordon Levitt e Zooey Deschanel são grandes forças no filme, principalmente o primeiro, que para mim é um grande talento que está finalmente sendo melhor aproveitado em filmes maiores. Só o que eu tenho pra falar mais sobre esse filme é que não faz nem um ano que eu assisti, e ele já entrou na lista de filmes que tem um certo impacto em mim. Enfim, assistam.

39# Snatch – Porcos e Diamantes (Snatch, 2000, Guy Ritchie)

“You should never underestimate the predictability of stupidity.”

A obra-prima de um dos diretores mais subestimados da indústria. Sim, Guy Ritchie já fez muita coisa de qualidade duvidosa, mas é difícil não se divertir com filmes como Snatch, Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes (Lock, Stock and Two Smoking Barrels, 1998) e Sherlock Holmes (2009). E Snatch, sem dúvida alguma é o melhor deles, juntando um elenco bem impressionante e um roteiro de diálogo rápido e inteligente. Destacando é claro Brad Pitt, que está impagável no filme, e está presente e é um grande responsável pelas partes mais engraçadas do filme. Poucos filmes conseguem me fazer rir como esse.

38# Procurando Nemo (Finding Nemo, 2003, Andrew Stanton e Lee Unkrich)

“If this is some kind of practical joke, it’s not funny, and I know funny. I’m a clownfish.”

A Pixar não é só o melhor estúdio de animação do mundo. A Pixar é o melhor estúdio de filmes do mundo, considerando animação ou não. Eles conseguem, ano após ano, lançar filmes quase livres de falhas. Procurando Nemo para mim é um desses filmes, que é muito divertido e verdadeiramente emocionante durante cada minuto, e cria diversas personagens extremamente relacionáveis e agradáveis de se ver, por quem você passa o filme inteiro realmente torcendo. As mensagens mais profundas típicas dos filmes deles estão presentes também, embora nunca como uma lição de moral barata para tentar comover o espectador de forma falsa.

37# V de Vingança (V for Vendetta, 2005, James McTeigue)

“Beneath this mask there is more than flesh. Beneath this mask there is an idea, Mr. Creedy, and ideas are bulletproof.”

Ok, eu tenho que admitir que se existe um filme nessa lista que está presente por identificação pessoal acho que esse seria V de Vingança. Eu fiquei tão extasiado quando o filme acabou com algumas das idéias apresentadas aqui que eu tive que colocar ele entre os meus filmes favoritos. Lógico que nunca machuca olhar para Natalie Portman durante 2 horas, até porque ela está sim trabalhando muito bem nesse filme. Além disso, você ver o comprometimento de uma atriz como ela com a história que ela está contando quando ela aceita realmente raspar o cabelo para uma cena do filme, é uma coisa muito admirável. Apesar é claro de ela ter ficado surpreendentemente bonita careca.

36# A Viagem de Chihiro (Sen to Chihiro no kamikakushi, 2001, Hayao Miyazaki)

“Once you do something, you never forget. Even if you can’t remember.”

Fora a Pixar, ninguém no mundo faz animações como o Studio Ghibli, mais especificamente Hayao Miyazaki, quem eu considero sem dúvida nenhuma um gênio. A habilidade que ele tem de criar mundos completamente novos e te emergir nesses mundos profundamente, te fazendo acreditar nas criaturas, objetos e costumes que você nunca viu na vida, é impressionante. E tudo isso está especialmente evidente em A Viagem de Chihiro, que em matéria de te puxar completamente para um mundo totalmente novo, pouquíssimas animações se comparam.

35# Uma Mente Brilhante (A Beautiful Mind, 2001, Ron Howard)

“Classes will dull your mind, destroy the potential for authentic creativity.”

Com certeza eu vou estar na minoria aqui falando bem desse filme, já que no público geral Ron Howard geralmente é mal visto, mas eu adoro esse filme. Talvez o fato de eu ser um fã de histórias envolvendo matemática tenha algo a ver com isso, mas eu acho sim o filme muito bem construído e muito bem acabado. Porém, apesar da história envolvente e uma progressão de idéias bem colocada, o que destaca mais esse filme é certamente as atuações de Russell Crowe e Jennifer Connelly. Principalmente do primeiro, que foi a responsável por colocar esse ator de uma vez no patamar de um dos melhores atores em hollywood trabalhando hoje, posição que ele guarda até hoje.

34# Batalha Real (Batoru rowaiaru, 2000, Kinji Fukasaku)

“So today’s lesson is, you kill each other off till there’s only one left. Nothing’s against the rules.”

Se você tiver interesse algum dia em começar a conhecer o cinema asiático de verdade, Batalha Real é um ótimo filme para se começar. Ele tem um ritmo muito intenso, personagens muito legais e é lógico, litros e litros de violência. O conceito que o filme cria, de vários estudantes serem jogados numa ilha e serem forçados a matarem uns aos outros até que sobre somente um, é muito interessante, e dá a oportunidade ao diretor de mostrar a natureza verdadeira das personagens, e seus instintos de sobrevivência. Curiosidade; para quem não sabe, esse é o filme preferido de Quentin Tarantino lançado nos últimos 20 anos. Informação importante para se ter uma noção.

33# Dançando no Escuro (Dancer in the Dark, 2000, Lars von Trier)

“In a musical, nothing dreadful ever happens.”

Lars von Trier faz muito tempo que é, dentre os diretores mais conhecidos e admirados hoje, um dos mais ousados com relação à criação de polêmicas e apresentação de assuntos delicados. Com Dançando no Escuro ele faz um musical sobre uma imigrante Tcheca nos EUA que trabalha em uma fábrica, mas tem um problema de saúde que está a fazendo ficar cega gradualmente. O filme consegue com facilidade quebrar o seu coração em vários pedaços várias vezes. Tem muitos momentos de grande depressão, outros de otimismo insensato, e outros vários de emoções verdadeiras. Quando artistas musicais tentam se aventurar pelo ramo do cinema é difícil ver resultados bons, mas Björk tem uma atuação surpreendentemente sensível durante o filme todo, e pode ser atribuída para ela muitas das suas qualidades.

32# O Escafandro e a Borboleta (Le scaphandre et le papillon, 2007, Julian Schnabel)

“I decided to stop pitying myself. Other than my eye, two things aren’t paralyzed, my imagination and my memory.”

O Escafandro e a Borboleta é aquele tipo de filme que te faz confiar em um diretor só tendo visto um único filme dele. Ninguém faz um filme tão bonito de se ver pela visão de um tetraplégico sem ter um grande talento. O filme é muito sensível e cheio de emoções verdadeiras, além lições de vida bem dadas e uma fotografia magistral. As cenas em que a câmera mostra de fato a visão de Jean-Do do mundo parecem a princípio que não vão conseguir te prender, mas eu prometo que você não desgruda os olhos da tela durante um minuto. Além de tudo isso tem o trabalho incrível de Mathieu Amalric que é muito convincente e admirável pelo realismo.

31# Abismo do Medo (The Descent, 2005, Neil Marshall)

“I’m an English teacher, not fucking Tomb Raider.”

E chegamos ao meu filme de terror preferido dos últimos 10 anos. Eu nem me importo que Neil Marshall não tenha feito nada próximo de bom no resto de sua carreira, esse filme é incrível. A tensão que ele cria até o começo da expedição das protagonistas pela caverna já é enorme, usando da escuridão e dos pequenos espaços para criar sentimentos claustrofóbicos. Tudo fica muito intenso depois, quando as coisas começam a dar terrivelmente errado de uma forma que você não pensaria. Críticos já chamaram esse filme de o melhor suspense/terror com uma mulher como protagonista desde Alien, e eu não acho isso nem um pouco exagero. Dica; assistam a versão britânica em vez da americana. O final é diferente e muito melhor.

6 Comentários leave one →
  1. Marina Lima permalink
    02/03/2011 19:02

    Nossa fiquei impressionada como me identifiquei com os seus comentários… Abismo do Medo, V de Vingança ! Uau.. muito bom

  2. thsly permalink
    28/06/2013 20:53

    Nossa, perfeito, tem tudo ai, até incrível, trechos dos filmes além da simptose, mto bom

Trackbacks

  1. Top 60: Os Melhores Filmes da Década (2000-2009) Parte 4 (30-21) « Cine Top 5
  2. Top 60: Os Melhores Filmes da Década (2000-2009) Parte 5 (20-11) « Cine Top 5
  3. Top 60: Os Melhores Filmes da Década (2000-2009) Parte 6 (10-1) « Cine Top 5

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: